Médicos mais conscientes

Dr. Maximiliano Otero Lacoste

Dr. Maximiliano Otero Lacoste (Rio de Janeiro-RJ)

“Os médicos têm tido um pouco mais de conscientização e a mensagem que transmitimos em eventos como este é que o método é apropriado para o paciente apropriado, para a anatomia apropriada.

Hoje vemos mais conscientização em aceitar o que é este ‘apropriado’. Outro fator importante é a difusão do método e tratamento percutâneo pelo interior do país e não somente nas capitais.

Percebo grande crescimento no interior de Minas, São Paulo e Rio de Janeiro, ocasionando esta descentralização. Os pacientes estão deixando de ter de correr para a capital paulista, por exemplo, para estes procedimentos mais avançados, porque os residentes aprendem e vão para o interior, facilitando a vida dos pacientes.

“Algumas dificuldades surgem quando o especialista quer fazer além daquilo para o qual está bem treinado. Isso gera alguma dificuldade, não muita, mas é um ponto negativo. Em relação a custo, o número maior de profissionais treinados tem tornado o tratamento das cardiopatias estruturais mais acessível.”

Temas abordados no 1º Simpósio Uberabense de Intervenção Percutânea em Cardiopatia Estrutural:
Ecocardiograma transesofágico no screening prévio e durante tratamento das cardiopatias estruturais

Ficou com alguma dúvida?

Converse com seu médico sobre os sintomas e agende seus exames no CIMI. Ou, se preferir, agende uma consulta cardiológica na nossa unidade 2, especializada em exames de rotina.